A visão racional e progressista do espiritismo

“(…) o livre-pensamento eleva a dignidade
do homem; faz dele um ser activo, inteligente,
em lugar de uma máquina de crer”.
Allan Kardec (Revista Espírita, Fevereiro, 1867)

Para descarga, os três livros já publicados. Aconselho vivamente a sua leitura.

Apresentam uma visão actualizada do espiritismo racional e progressista

“…A filosofia espírita rompeu com a dicotomia entre o sagrado e o profano. O que importa para os espíritos entrevistados por Allan Kardec, na elaboração de “O Livro dos Espíritos”, é a chamada lei natural.
Para eles, a lei natural é a própria “lei de Deus”.
“É a única verdadeira para a felicidade do homem”, pois “indica-lhe o que deve fazer ou não fazer” (pergunta 614, p.361).
Eles vêem na Natureza e em suas leis a presença da divindade que a tudo preside como “inteligência suprema e causa primeira de todas as coisas”, como disposto na pergunta nº 1 de O Livro dos Espíritos.
A lei natural, vista sob esse prisma, envolveria todos os fenómenos do Universo e, logo, também as relações dos seres humanos entre si e com a divindade, retirando esta do sobrenatural.
Dessa forma, o que para a teologia estava contido na revelação sagrada, sobrenatural e não necessariamente conforme a razão, para os espíritos entrevistados por Kardec era potencialmente alcançável pela razão humana, eis que a lei natural se encontra inscrita “na consciência” do ser inteligente (questão 621).

Sobre a designação dos espíritas como “livres-pensadores” Diz-nos Milton Rubens Medran Moreira no quarto capítulo da primeira obra aqui apresentada:
“…Em artigo que publicou na Revista Espírita de Janeiro de 1867, Allan Kardec, em plena sintonia com as tendências do novo tempo em que se firmava a autonomia de pensamento, saudou o advento de uma “nova denominação pela qual se designam os que não se sujeitam à opinião de ninguém em matéria de religião e de espiritualidade, que não se julgam ligados pelo culto em que o nascimento os colocou sem seu consentimento, nem à observação de práticas religiosas quaisquer”. Essa nova categoria de homens e mulheres, segundo ele, eram os “livres-pensadores”. E ali ele situava os verdadeiros espíritas, explicitando: “Todo homem que não se guia pela fé cega é, por isso mesmo livre-pensador”, para acrescentar: “A este título os Espíritas também são livres-pensadores”.

Autor: espiritismo cultura

A Realidade desta e de outras vidas. CONSULTAR: https://palavraluz.com/ ........................ https://palavraluz.com/

Um pensamento em “A visão racional e progressista do espiritismo”

  1. Vale esclarecer que o Espiritismo Laico nada tem a ver com materialismo, ateísmo ou antirreligiosidade. Ser laico é ser arreligioso, isto é, neutro em relação à Religião. Laico = não religioso, secular.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s